quarta-feira, 19 de junho de 2013


 

Violência

 

Tenho pensado muito nestes últimos dias sobre esse tema.
Acompanhando os noticiários, preponderantemente através dos jornais e revistas, e um pouco pela TV, e todos falam da questão da violência de ambas as partes, polícia e manifestantes.
Reafirmo o que já disse em um post meu no Facebook: sou visceralmente contrário a qualquer tipo de violência, seja ela física, psíquica ou econômica, e que isto fique muito claro.
Entretanto o estranho é que os meios de comunicação e a população em geral, referem-se apenas a violência que é cometida tanto pelos manifestantes ( quebra-quebra em geral), ou da polícia ao reprimir esses atos.
Ninguém se lembra da violência que é cometida diariamente pelo Estado (município, estado ou federação).
As pessoas que não têm acesso a planos privados de saúde que o digam. Não é uma violência ter que ficar no corredor de um pronto-socorro, aguardando ser atendido, sabe-se lá daqui quanto tempo, quando você está passando mal? Óbviamente nós sabemos que esse problema existe, mas já pensamos que isso é uma violência? E onde está a polícia com suas bombas e balas de borracha, para impedir isso? Irão entrar atirando no palácio do prefeito, ou governador, ou presidente, seja ele presidente da federação, da câmara ou do senado? Não! Irão no máximo prender por algumas horas o coitado do médico responsável pelo plantão (que na maioria das vezes não tem culpa alguma), e ele será “linchado moralmente”.
Não nos iludamos que isso seja diferente, mesmo para quem tem plano de saúde privado: tenha (Deus nos livre!) um problema sério de saúde, qualquer coisa diferente de um resfriado ou “caspa nos joelhos”, para ver o calvário para a liberação de guias de exames ou internações!
Isto é uma violência, porque mesmo que não seja o SUS, quem autoriza o funcionamento de empresas de planos de saúde é o governo através da ANS, e ela determina o que pode ou não ser feito.
A violência econômica em minha modesta opinião é exercida pelo Estado, ao recolher 27,5% de nossos rendimentos mensais (quase 1/3) para usar sabe-se lá aonde! Isto fora os outros valores que não sabemos que pagamos, pois as notas fiscais não discriminam impostos, e a lei que obriga a isso foi postergada para o ano que vem. Além disso há a restrição no quanto você pode deduzir, por exemplo, com educação. Não há para despesas médicas, ou seja: já que você está doente, morra, pois assim fica livre de sustentar os vagabundos das assembléias e palácios governamentais pelo Brasil afora!
Isto é uma violência. E onde está a polícia?
Outra violência? Você já teve algum processo judicial? Já o resolveu? Se for precatório pode colocar no seu testamento, pois provavelmente seus netos usufruirão da decisão. Se não for precatório, pode ser que demore um pouco menos. Dependendo do tema, uns 10/15 anos.
Isso não é uma violência? Você consegue dormir com tudo isso? E daí vem me falar da violência que quebraram o vidro da porta da prefeitura de SP, ou que puseram fogo em um ônibus em São Gonçalo no RJ? OK, lamento e acho que esses bandidos devem ser presos, assim como TODO e QUALQUER governante (executivo, legislativo ou judiciário) que não faz o que deveria fazer, ou melhor, o que é PAGO para fazer e entretanto a polícia não aparece lá na casa das “autoridades” jogando bombas de gás, ou balas de borracha, assim como fazem com os manifestantes (imbecis) que estragam uma manifestação linda, tornando-a um caso de polícia, o que apenas fortalece os políticos corruptos que podem dizer que isso é coisa de “agitadores”.
 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Praça do Mercado.