quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Toffoli e o PT


 
Tenho acompanhado através da imprensa as manifestações de “indignação” tanto dos condenados quanto dos aliados dos mensaleiros. Bem, os Josés, Delúbios, e outros nomes menos conhecidos (a mim importa falar sobre os petistas, pois eles detém o poder) não há surpresa. Faz parte do papel dos condenados em qualquer lugar do mundo por qualquer crime bradar sua inocência. Entendo perfeitamente também os parentes e amigos mais íntimos queixarem-se da condenação. O que me assusta, e aqui serei repetitivo, é ouvir da boca de membros do governo, de um dos três poderes (executivo, como o ministro José Eduardo Cardoso, ou do legislativo, Rui Falcão presidente do PT e deputado federal e do Judiciário ministros Toffoli e Lewandowsky) defendendo os condenados e criticando as instituições brasileiras (principalmente neste caso o judiciário). Será que eles já perceberam que eles representam essas instituições? Se elas não prestam, a culpa é deles!

O ministro Toffoli, (que a mim parece atuar mais como “cheerleader” pró PT e pró mensaleiros... gostaria de saber o que ele leva com isto...) deveria ser uma pessoa mais centrada, isenta de arroubos pró ou contra pois ele representa a “Justiça Brasileira” e não os réus. Parece mais um advogado de defesa, o que ele já foi anteriormente, atuando como advogado do Partido dos Trabalhadores, mas neste momento terminada a fase de julgamento, como ele absolveu os mensaleiros, deveria ficar quietinho na definição das penas.

Não, o “cheerleader” continua fazendo barulho. Bem o papel de cheerleader é esse mesmo, fazer barulho, e como ele não tem os atributos “físicos” característicos da função de cheerleader para distrair a plateia, tenta compensar isto com argumentações escabrosas, tentando nos remeter, população brasileira e “Instituição Brasil” ao nível de situações pré nazistas tal como ocorreu com a Republica de Weimar durante a ascensão de Hitler ao poder.

Os nazistas criticavam tudo e todos os membros e poderes instituídos da Alemanha pré nazista. Os únicos corretos eram eles, os salvadores nacional socialistas. O PT, em especial o Lula, Dirceu, Genoíno e outros atribuem-se esse “papel divino” de Salvadores da Pátria e do Povo Brasileiro.


compara a atuação do STF, entidade da qual ele é um representante, aos tribunais de inquisição espanhola. Isto é um acinte! O argumento falacioso do ministro pode ser também usado contra o “Estado Petista”. Em verdade o tribunal da inquisição espanhola, existiu para proteger o poder absolutista da Igreja Católica na época. Não tratava-se de salvação de almas, e sim manutenção de poder temporal. Qualquer um que discordasse ou manifestasse o menor “desalinhamento” com as doutrinas, poderiam ser chamados a prestar esclarecimentos aos inquisidores, em especial o frei dominicano Tomaz de Torquemada famoso torturador pró Igreja. Ele ganhava sua parte no butim que a igreja patrocinava contra os judeus, ciganos, homossexuais (assim como os nazistas fizeram mais tarde), enriquecendo seus cofres.

O que este ministro quer dizer com isso? Que os ministros que votaram contrariamente a “Nomenclatura Petista” estão recebendo dinheiro?

A inquisição espanhola visava manter no poder, manter o status quo, evitar divergências com o poder estabelecido. O que os dignos ministros que votaram contrariamente aos Josés e outros condenados no processo do mensalão evitam, é exatamente a hegemonia do partido dos trabalhadores, pois o que esta organização criminosa está tentando fazer neste Brasil sim, é torná-lo um imenso tribunal de inquisição, contra todo e qualquer cidadão que ouse discordar de seus princípios. Não se trata de “intuito do vil metal” como afirma Toffoli, e sim de liberdade democrática. O PT quer calar todas as vozes discordantes deste país. Como ainda não podem fazê-lo pela força, pois não vivemos na época da Inquisição, tentaram e ainda tentam fazê-lo comprando as pessoas, as instituições. Isto foi o mensalão, uma tentativa de silenciar as oposições e obter hegemonia política. Isto é o DNA do PT. Não fosse a atuação do ministério público e do STF, ainda estaríamos sendo escarnecidos pelos sujos petistas do naipe dos Josés (Dirceu, e Genoino) além do bandido do Delúbio, que chegou a nos afirmar que o mensalão tornar-se-ia com o tempo “piada de salão”. Quer escárnio maior do que este? Isso é acintoso! Não vivemos a época da Inquisição exatamente porque a atuação do STF é contra o Poder estabelecido hoje representado pelo PT no executivo brasileiro. A inquisição era contra minorias indefesas. O STF vai contra o poder espúrio que o partido dos trabalhadores quer manter a qualquer custo mantendo-se “ad aeternum” no poder, tal como seus ícones, família Castro, Chavez, Kirchner e outros desse mesmo naipe.

Se há alguma semelhança com a época da inquisição, é a atuação deste “partidinho” composto em sua maioria de ex- profissionais medíocres  em suas funções originais, que para poderem tornarem-se alguém, partiram para a política, pois nesse meio grassa a mediocridade intelectual, e os interesses excusos. Ele (o partido) está tentando por todos os meios (principalmente através do aparelhamento do estado) instalar os tribunais de inquisição pelo país afora, nas pequenas cidades, excluindo de qualquer posição seus desafetos e se possível expurgando-os do convívio da sociedade (Celso Daniel que o diga... se pudesse...).

Esse ministro presta um desserviço a nação afirmando uma barbaridade dessa! Sua argumentação torpe não condiz com sua posição. Apenas reafirmo minha convicção do despreparo deste ilustre senhor para ocupar a posição que ocupa. Infelizmente (neste caso) a sorte brinda justos e injustos igualmente, e ele estava “no lugar certo e na hora certa” e acabou sendo indicado para o “lugar errado”. Como ele passará para a história, só o tempo dirá! Na minha história para meus netos sobrinhos amigos e parentes, ele será o vilão sofista, o Judas que vendeu-se por 30 moedas. Não... Judas foi mais digno! Suicidou-se!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Praça do Mercado.