domingo, 3 de julho de 2011

Itamar Franco



O Brasil está mais pobre desde ontem, e o Senado brasileiro então, nem se fala.

Lamento, pois somos um povo que não pensa; temos uma memória igual à de um peixe de aquário (dura uns 10 segundos se muito). Não damos valor à história e, portanto continuamos insistindo nos mesmos erros. Adoramos promessas, mesmo as mais impossíveis, e valorizamos muito mais os que às fazem, do que aqueles que nada prometem, mas tudo que podem, fazem.




Em abril de 1985 perdemos um grande homem, também mineiro, Sr. Tancredo Neves. Político tradicional, pessoa íntegra, primeiro ministro em nossa meteórica experiência parlamentarista. 

Tancredo assume como 1º Ministro(1961)

Naquele momento após 20 anos de ditadura militar, o candidato eleito pelo colégio eleitoral para ocupar a presidência brasileira, Dr. Tancredo como muitos o chamavam, representava a esperança de toda uma nação. Nos sensibilizamos e nos comovemos com sua agonia, sofrimento e morte. Tivemos um “feriado” no dia 22 de abril e a população acorreu às ruas para ver o féretro passar sobre um carro de bombeiro rumo ao aeroporto de Congonhas. Tancredo foi a esperança que morreu antes de concretizar-se minimamente. Ele foi apenas  uma promessa.

multidão acompanha féretro Dr. Tancredo (1985)

Velório Tancredo no Planalto

 Herdamos deste evento, um vice que nada fez que seja digno de lembrança.


Diferentemente de Tancredo Neves, que representava a esperança, Itamar Franco era vice da figura nefasta Fernando Collor.  Pegou um país, desacreditado da classe política, e nos ergueu à condição onde nos encontramos agora (embora ainda desacreditemos dos políticos).



 Não haviam promessas, houve trabalho, não havia personalismo, havia humildade, não havia empáfia, havia persistência.

Devemos nossa estabilidade monetária, fim da inflação, e relativa “prosperidade atual” a este homem, Itamar Franco.
Foi ele quem primeiro acreditou na proposta do plano Real, sendo seu principal fiador. Ele possibilitou a candidatura de FHC e viabilizou sua eleição. Tudo o que mudou neste país (como diria o Lula Molusco, nunca antes neste país...) é consequência do trabalho desta personalidade.

"Nunca antes neste país" tivemos um homem como Itamar

O resto é parasitarismo político petista: não fazem nada, mas afirmam que eles são os responsáveis por todos os sucessos. Queria ver o que teria sido do “governinho” dos últimos 8 anos, se antes não tivéssemos tido 2 brasileiros altamente capazes na posição presidencial, com destaque para o Sr. Itamar Franco.


2 grandes Homens

Parasitarismo político Petista (come os restos mas
afirma que foi o caçador)

Não nos iludamos. FHC foi um grande presidente e é um grande homem. Lula é um ótimo sindicalista, e deu a sorte de pegar o Brasil depois de Itamar e FHC. Se tivesse sido eleito no lugar do Collor, a história seria diferente, mas o grande responsável e fiador das medidas que colocaram o Brasil no rumo da estabilidade possibilitando vivermos esta relativa “prosperidade”, não é outro senão o Sr. Itamar.

Como nossa memória e curta e somos capazes apenas de entender a mediocridade dos heróis fabricados pela TV (Pedro Bial que o diga), não está havendo a “Pompa e Circunstância” que a ocasião exigiria. O povo não foi às ruas chorar o grande homem que se vai, o herói Itamar. Apenas umas discretas manifestações aqui... outras alí...

Para o Pedro Bial (e para muitos brasileiros),
herói é o cara que participa desta droga!

Desculpe-nos Sr. Itamar Franco. Somos assim mesmo: ingratos! Pobre Brasil!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Praça do Mercado.