segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Música

Ontem domingão bonito de sol e calor e um cheirinho de quase primavera no ar, não é dia para se falar de política. Quero escrever sobre música e compartilhar um vídeo que achei após uma busca no YouTube: uma apresentação do Bolero de Ravel feita pela orquestra Filarmonica de Berlim sob a regência de Daniel Barenboim. Uma daquelas apresentações públicas a céu aberto em um parque qualquer de Berlim, ou alguma outra cidade européia, coisa que nós brasileiros estamos acostumadíssimos a ver aqui em SP (ahahahah).
Esta belíssima peça executada em ostinato, ou seja, a repetição de um tema quase que “indefinidamente” é impar, pois apesar da sua simplicidade melódica, sua construção harmônica é riquíssima. Ravel explorou brilhantemente a coloração dos diferentes timbres dos instrumentos, principalmente os sopros (metais e madeira). A música inicia-se com a percurssão: uma caixa repetindo durante toda a execução, o ritmo que caracteriza a música, acompanhada pelos instrumentos de arco em pizzicato, ou seja, “beliscando” a corda sem a utilização do arco. Em seguida iniciam-se os “solos” dos sopros (metais e madeira) repetindo exatamente a mesma frase, mas com diferentes “cores” em função dos diferentes timbres (mais “abertos” no caso dos metais, trombone, trompa, saxofone etc., ou mais “fechados” no caso das madeiras, oboé, clarineta, fagote, flautas) até que por último as cordas (violinos, violas, violoncelos e contra-baixos) se unem aos sopros, repetindo o mesmo tema em crescendo até o final. Nestes dois vídeos dá para se perceber claramente o que tento descrever. O grande segredo e perigo desta música para os maestros: não deixar que os músicos acelerem ou diminuam o ritmo durante a execução (coisa muito fácil de acontecer se não prestar a devida atenção), e tão grave quanto isto ou até pior, “dosar o crescendo” de maneira que o som máximo seja atingido apenas ao final da música. Assistir esta apresentação ao vivo é garantia de diversão!
P.S.: são dois vídeos com parte 1 e 2

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Praça do Mercado.